Fora da igreja não há salvação (2)

Parte 2 de uma palestra sobre artigo 28 da Confissão Belga para o Encontro da Fé Reformada (Recife) no dia 1 de novembro 2013.

O Cavaleiro Solitário e Tonto

O Cavaleiro Solitário e Tonto

Desde do início, precisamos deixar algumas coisas bem claras. Precisamos colocar os nossos olhos na grande figura, numa figura geral aqui. Essa figura geral, envolve Cristo, enquanto Salvador. É no Seu amor que Ele nos redimiu do pecado. Ele viveu uma vida de amor pelo Seu povo; e ainda hoje continua a amar todos aqueles que lhes pertencem. Foi pelo Seu amor que Ele foi para a cruz para morrer em nosso lugar. Amados, temos um evangelho que fala de um Salvador que cuida de nós e que tem cuidado de nós, de forma profunda e individual. E nós também temos um evangelho que nos ensina que também temos um Salvador que nos ama enquanto grupo, enquanto corpo. Em diversos locais da Escritura, temos visto que está escrito que o nosso Cristo ama a Sua igreja; isso significa que Ele ama a igreja Católica ou Universal, mas Ele também tem o Seu coração ou Seu amor na Sua igreja local. Jesus nos ama e deu a sua vida por nós. E quando nós pensamos a respeito da igreja e da nossa necessidade da igreja, e da igreja, essa verdade precisa ser estampada, colocada na frente.

Outra coisa que precisamos, também, colocar na frente é a relação íntima entre a Igreja Católica, Universal, e a igreja visível. Já falei sobre isso; mas acho que é plausível que falemos um pouco mais sobre isso.  Vamos tentar manter o mais simples possível. O fato é que a igreja Católica se revela em Congregações locais, em Congregações locais nas quais o evangelho é fielmente proclamado. Quando os sacramentos são administrados na forma que Cristo assim ordenou e onde a disciplina da igreja é levada a sério. A Igreja Católica, verdadeiramente, se manisfesta naquelas igrejas fiéis e verdadeiras ao nosso Senhor, congregações locais.

E é exatamente dentro dessa perspectiva que a Confissão Belga faz o salto entre o Artigo 27 e o Artigo 28, entre o artigo da catolicidade e o artigo 28 da necessidade da igreja. O Artigo 27 lida com a igreja de uma forma larga, ampla; mas quando chegamos no Artigo 28 a Confissão Belga trata da igreja  de onde alguém pode e deve sair. O Artigo 28 fala também da igreja a partir de um local onde alguém pode ingressar. Ele fala também da igreja que provê instrução, que administra disciplina; é um corpo em que irmãos e irmãs servem-se uns aos outros em edificação. E ainda dentro desse contexto a nossa Confissão Belga faz um link essa igreja individual com a Igreja Universal. Ela faz esse link dizendo que essa congregação local é a assembleia daqueles que são redimidos e assim vai. A Igreja Católica torna-se visível, concreta na igreja local.

É nessa congregação local onde você escuta a pregação do Evangelho todos os domingos. É nessa igreja local onde a sua Fé é fortalecida com a administração dos sacramentos, do Batismo e da Santa Ceia do Senhor dominicalmente. É dentro desse contexto da igreja que o amor de Cristo é concretizado, demonstrado pelo cuidado dos presbíteros. Presbíteros que cuidam, que se preocupam com o seu bem estar espiritual. Normalmente, você é trazido para a igreja de Cristo através da pregação e do ensino da Palavra do Senhor.  E normalmente você é mantido na igreja através da Pregação da Palavra e da administração dos Sacramentos no contexto da igreja. E através também da administração da disciplina. A igreja é o instrumento de Cristo para trazer-nos para Si mesmo e para nos manter salvos Nele.

É exatamente por isso que a Confissão Belga vai adiante e diz que não existe salvação fora da igreja. Agora, percebam que não foi Guido de Brès quem inventou essa sentença.  Ela, originalmente, veio pelo pai da igreja Cipriano. E tem sido repetida por Cristãos fiéis desde que ela tem sido falado por Cipriano: “Não existe Salvação fora da igreja.” Agora, deixa eu dizer para vocês, primeiro, o que essa sentença não significa. Ela não significa que não existe cristãos fora da igreja onde nós congregamos; ou que não existe outros cristão que não sejam como nós. Ela também não diz que salvação depende de alguém ser reformado ou presbiteriano. De maneira nenhuma, não quer dizer nada disso. Existem muitas pessoas que são cristãos verdadeiros que não pertencem à nossas igrejas ou nossas igrejas irmãs. E eles têm vida eterna por causa da obra de Cristo que foi feita por eles; e porque o Espírito Santo trabalhou fé genuína nos corações deles. Então, o que essa sentença significa? Significa que salvação vem, normalmente, através da administração dos meios de graça entregues à igreja como o próprio Senhor Jesus Cristo. Cristo apontou pregadores para trazer a Palavra da verdade para a igreja. É através da pregação da Palavra que vêm convicção de pecado. E é através da Palavra pregada que vem o descansar e o confiar em Cristo para a salvação das nossas almas e nossos corpos. É exatamante através da administração dos Sacramentos que a nossa fé é fortalecida e mantida.  Se nós desviamos a igreja vai nos amar suficiente para nos chamar a voltar ao arrependimento.  Essa é a forma normal de funcionar; essa é a forma que a igreja deve funcionar. E é exatamente isso que significa afirmar que não existe salvação fora da igreja. Salvação e igreja vêm juntas, e estão juntas. Salvação ordinariamente acontece através do ministério da igreja.

É por isso que João Calvino falou que “aquele que tem Deus por pai, também têm precisa ter a igreja por mãe.” Nós temos por Cristo, através de Cristo um Pai celestial; mas aqui na terra, nós também temos uma mãe espiritual. E essa mãe espiritual é a igreja. A igreja que é a noiva de Cristo; e a igreja que é o local onde Deus cuida das suas crianças. Deus cuida e alimenta a sua igreja, o seu povo através da igreja: provendo alimento e tudo o mais que eles precisam para o seu crescimento espiritual e para o seu desenvolvimento espiritual. E mais uma vez, não foi João Calvino quem criou esse ensinamento. Ele aprendeu do próprio apóstolo Paulo em Gálatas 4: 26.  Paulo fala a respeito da Jerusalém que é celestial. Ele diz que essa Jerusalém celestial é a nossa mãe. A Igreja Católica ou a Igreja Universal, ela é que é a mãe dos cristãos. E aquela mãe espiritual, aparece exatamente na igreja local. É exatamente, nessa igreja local que os crentes serão trazidos para a presença do Seu Pai Celestial. Ela será trazida, crescida pela sua mãe espiritual.  Então, Calvino estava correto: “A pessoa que quer ter Deus por Pai, precisa ter a igreja por mãe”. Percebam que as Escrituras nos chamam e ter uma visão muito elevada a respeito da igreja: se Deus a chama nossa mãe; então, obviamente que nós precisamos honrar a nossa mãe espiritual. Assim como nós honramos as nossas mães materiais.

Então, em todas as vezes, em qualquer situação em que a igreja de Cristo se manifesta em uma congregação local; nós deveremos querer ser parte dela numa maneira real. E sabe, às vezes, há essa ideia de ser o cristão cavaleiro solitário por aí. Você lembra, o Cavaleiro Solitário era um ator de televisão americana, que passava um seriado há alguns anos atrás? Ele era uma figura lendária do velho oeste que lutava por justiça. E aí o seu grito de guerra era o: “Aiô silver, vamos lá!”! E ele tinha o seu escudeiro, chamado Tonto; mas, tirando Tonto, ele vivia sozinho. O Cavaleiro Solitário era o machão americano. E não precisava de ninguém, não precisava de absolutamente ninguém para conseguir ou conquistar aquilo que ele queria conseguir ou conquistar. E muitos hoje chamando-se de cristãos tem a mesma mentalidade do Cavaleiro Solitário. Eles até chegam a pensar que a igreja é um obstáculo para que eles sejam cristãos de verdade. A igreja torna-se uma distração para essas pessoas. Um lugar onde só tem pessoas vidas estragadas. É tão mais fácil você ser cristão sozinho; e talvéz, isso pode até soar algo interessante; mas, amados, precisamos chamar esse pensamento daquilo que esse pensamento verdadeiramente é: isso é desobediência! A Palavra de Deus é clara.  Veja, por exemplo, em Hebreus 10:25, aquela passagem vastamente conhecida, que nós não devemos negligenciar o congregarmos juntos. Será que alguém pensa que esse ajuntar-se é um outro ajuntar-se a não ser enquanto assembleia de Cristo; enquanto, igreja de Cristo.  Bom… alguém pode argumentar: “mas a passagem não fala de igreja”; mas ela não precisa falar de igreja; quando o Novo Testamento fala, nessa expressão, “ajuntar-se” é obvio que o texto está se referindo, o termo se refere a ajuntarmos enquanto o igreja. Quando nós nos ajuntamos para sentar e virmos participar do ministério da Palavra e dos Sacramentos.

Juntando-se à igreja, tornando-se parte da igreja, estando debaixo do ministério da Palavra e dos Sacramentos executados na igreja; todas essas coisas precisam ser de grande alegria para nós. Não um peso em nossas costas, nem muito menos uma distração, muito pior um obstáculo em nosso relacionamento para com Deus; se você quer ser um cristão de verdade! Não é somente uma questão simples de “ok!”, eu tenho que ir para a igreja e para o culto porque simplesmente Deus me manda ir para o culto; o que é mais importante é a maneira de desejar estar no culto público da igreja.

Continua…

A igreja de Cristo é católica (5)

Parte 5 de uma palestra sobre artigo 27 da Confissão Belga para o Encontro da Fé Reformada (Recife) no dia 31 de outubro 2013.

Quero voltar e tratar o que diz respeito ao significado da catolicidade da igreja.

Vocês têm conhecimento de que às vezes tem sido difícil para alguns crentes aceitarem a catolicidade da igreja, muitos têm problemas com outros que são diferentes deles. Por exemplo: pessoas que tem cor de pele diferente da deles, ou uma cultura diferente. Ou um status econômico e social diferente do deles, ou até uma língua diferente. E às vezes é difícil um desafio observar como pessoas diferentes são uma bênção ao invés de vê-los como uma ameaça. Esse desafio já exista na época dos apóstolos. É exatamente isso que observamos em Atos 11, Pedro vê uma visão extraordinária que abre seus olhos.   Ele simplesmente entende que os planos de Deus são muito maiores do que simplesmente a nação dos judeus. Mesmo Cristo, antes de Atos 11, já tinha dito pessoalmente para Pedro, exatamente, essa perspectiva, essa informação. É exatamente isso que Cristo já havia dito para todos os outros apóstolos. Em Atos capítulo 1, Cristo envia para as nações, primeiro indo para Jerusalém e depois expandindo as suas ações missionárias em círculos concêntricos. Mas para Pedro, essa informação não foi registrada.  Foi preciso uma visão vinda dos céus e depois ter um encontro com Cornélio para que Pedro pudesse entender que as portas da igreja estão escancaradas. As portas da igreja estão escancaradas para todo o tipo de pessoas, povos, tribos, língua e nações.

E o que ilustra isso muito bem é o que chamamos também de catolicidade geográfica e cultural da Igreja. Isso significa dizer que a igreja se espalha por todas as nações da terra. Podemos ir a, praticamente, todos os lugares do mundo e encontrar cristãos lá; em alguns locais, obviamente, precisamos ter contatos apropriados e saber onde procurar; mas eles estão lá. Deus tem o seu povo em muitas cidades e em muitos países, pessoas que nem eu, nem você tem a menor ideia de que eles existem. Nos ultímos tempos, estava pregando na Ucrânia em uma conferência bem semelhante a essa. E aí, um dos missionários reformados falou-me sobre uma oportunidade que ele teve de ir no Casaquistão para ajudar no treinamento de pessoas para servir à Igreja Reformada lá. Quem vai saber que tem uma Igreja Reformada lá no Casaquistão? Eu não sabia disso, eu não tinha a menor ideia disso, mas o povo de Deus é encontrado em todo o lugar. E eles vêm de todos os tipos de culturas distintas. E perceba que isso é uma coisa linda e muito boa: Deus deleita-se na diversidade. Se você tem alguma dúvida disso, vá ao zoológico ou olhe um aquário.   Diferentes cores e formas diferentes, todos criados por Deus, nosso Criador. Deus foi Aquele quem pôs a diversidade nesse mundo e Ele ama essa diversidade. Exatamente isso acontece, também, no meio de seu povo; nos novos céus e nova terra haverá esse grupo de diversificado de cultura e povo de Deus salvo, cantando um novo cântico ao Cordeiro. Magnificando juntos a glória do nosso Deus, será simplesmente como um coral que canta com vozes diferentes… Não sei se já perceberam que há partes de corais que cantam um setor de uma música, outros que cantam outros setores da música, mas  quando eles juntam as vozes eles soam muito bonito. E assim será quando a igreja Católica estiver ali junta perante o nosso Deus, aqueles cantos belíssimos de louvor ecoarão para sempre na eternidade; vocês estarão cantando em Português, talvez eu vou estar tentando cantar em Português; estaremos todos louvando a Deus.

Além dessas questões de diversidade cultural, existe também a questão do tempo; chamamos esse aspecto da catolicidade do aspecto temporal. Isso quer dizer que tem relação com o tempo. No Artigo 27, nós vemos esse conceito de catolicidade temporal sendo trabalhado no segundo parágrafo. Esse é um ensinamento importante também para hoje. Muitas pessoas acham que a igreja começou lá em Pentecostes, muitos crentes acreditam que a igreja é o plano B de Deus; o plano A de Deus foi trabalhar com os judeus, e essas pessoas pensam que Jesus veio estabelecer Seu Reino entre os judeus. E como isso não funcionou, as pessoas pensam que Deus, colocou a marcha dois, a segunda, engatou a segunda, e começou a trabalhar com os gentios através dos apóstolos. Esse tipo de visão tende a dizer que a igreja começou em Pentecostes. Eles dizem que Pentecostes é o dia do nascimento da igreja.  Essa visão é extremamente popular; mas é muito errada e não bíblica.

A igreja começou quando Adão e Eva, a igreja continua desde aquele momento até a eternidade. O mundo sem fim, desde a criação de nossos primeiros pais sempre houve uma igreja e sempre haverá uma igreja. Por que isso? A Confissão Belga responde essa pergunta com um argumento brilhante: Cristo é um Rei eterno e como Rei eterno não pode estar sem súditos. O autor da Confissão Belga, Guido de Brès, que mencionei anteriormente; acho que ele aprendeu esse tipo de argumentação diretamente de João Calvino. Pregando um sermão sobre a ascenção de Cristo, Calvino utiliza exatamente a mesma argumentação. E como esse tipo de argumentação funciona? É bem simples, deixa explicar para vocês: Cristo é um Rei eterno. Essa é uma verdade bíblica inegável. Ele sempre foi Rei e Ele sempre será Rei. Agora, por definição, um Rei precisa de súditos. É inimaginável um Rei sem súditos; portanto, Cristo, como um Rei eterno sempre terá súditos. Eles são aqueles que reconhecem o seu reinado. E esses súditos são aqueles que Ele mesmo ajuntou dentro da Sua igreja. Para esclarecer: a igreja não é a mesma coisa que o Reino de Deus, mas é lá onde encontramos os súditos do Rei. Portanto, sempre houve um reino para Cristo e sempre haverá um reino para Cristo; e é por isso que falamos sobre a catolicidade temporal da igreja. A sua natureza universal estende-se desde o passado e vai também até ao futuro.

E porque esse ensino é importante? Ela nos lembra que precisamos olhar para fora de nós mesmos. O nosso mundo atual é extremamente individualista, narcisista. A catolicidade da igreja lembra-me que a igreja é maior do que eu mesmo. Essa doutrina lembra que a igreja é muito maior do que os meus irmãos queridos ou do que a Congregação a qual participo. Ela é bem maior do que a Igreja Presbiteriana, ou do que a Igreja Reformada, ela é uma igreja que se estende desde o passado, milênios no passado; então, Abraão não é somente um pai na fé; mas ele também é um irmão em  Cristo. Um membro da mesma igreja a qual sou membro. E Ruth não é somente uma avó do Senhor Jesus Cristo, mas ela também é um membro da mesma igreja da qual somos membros. A igreja a qual Paulo e Pedro pertenciam é a mesma igreja católica, a qual eu pertenço, vocês e todos que somos verdadeiramente crentes. Percebam que somos parte de algo que é maior do que nós mesmos.

E podemos olhar para a história e podemos aprender tanto com isso. Há quatro-centro e cinquenta anos atrás Guido de Brès identificou uma dessas lições: ele e seus contemporâneos estavam bem familiarizados do que seja sofrer a ira do mundo contra eles. Essa confissão fora escrita na Holanda, o que naquele tempo incluía o que chamamos de Bélgica hoje. Naquele tempo, aquela área da Bélgica estava sob o domínio da Espanha; e obviamente que os espanhóis eram Católicos Romanos e odiavam o Evangelho. Então eles perseguiam as Igrejas Reformadas Holandesas. As igrejas eram chamadas de igrejas perseguidas sob a cruz. Quando a perseguição era muito intensa, obviamente que visualmente seus números diminuíam. E quando a autoridade espanhola aliviava da perseguição muitas pessoas vinham e estavam de volta na Igreja Reformada. Mas nos piores momentos da perseguição, o número das igrejas reformadas era contados nos dedos das mãos. E aí essas igrejas tinha uma aparência patética e até de pena para os que viam, mas Guido de Brès era um bom aluno, um bom estudante das Escrituras. Ele sabia da história de Elias nos dias de Acabe. Elias estava reclamando que só ele restava dos fiéis, “não havia mais ninguém, a igreja estava aparentando estar extinta, mas a realidade estava escondida aos olhos de Elias e foi somente revelada a Ele pela Palavra de Deus. Deus veio e disse a ele que existiam sete mil ainda que não haviam dobrado os joelhos no meio da Congregação da Aliança. Sete mil que Elias não sabia da existência deles. Deus naquele momento havia preservado a sua igreja. Deus preservou a sua igreja naquelas perseguições no século XVI. Deus continuará a preservar a sua igreja hoje; está prometido nas Escrituras e ilustrado nas Escrituras, e tem sido ilustrado várias vezes na história da igreja. Deus é Poderoso e Fiel e Ele não vai deixar a Sua noiva sozinha.

Deus ama a sua igreja Católica Cristã Universal. E que grande bênção é poder participar desse corpo diversificado de crentes. Certamente, experimento essa bênção congregando com vocês aqui no Brasil. Que extraordinário saber que estamos dentro dessa assembleia única e sabermos que estamos sendo reunidos pela vontade de nosso Deus. Nesse momento, vemos apenas um vislumbre do que significa ver essa igreja Católica. Mas a medida que caminhamos juntos em fé, Deus nos promete que veremos a realidade por completo. E quando esse dia chegar, ouviremos um belíssima melodia no coral de vozes louvando a Ele na eternidade. Irmãos e irmãs vamos, desde já, nos preparar para cantar e fazermos parte daquele grande coral.