O Sínodo de Dort e a Catequese

Synod of Dort

Palestra para a Conferência Dordt 400 Anos em Caruraru, PE, 23 março 2019.

Acontece quase toda semana em igrejas reformadas no Canadá e na Austrália. Geralmente é uma terça ou uma quarta-feira à noite. Os pais trazem todas as crianças entre as idades de doze e dezoito anos para serem ensinadas o catecismo por seu pastor. Na maioria das vezes, é o pastor que ensina; se a igreja não tem pastor, então um presbítero ou alguém pode ensinar. Numa igreja grande, o pastor pode não ser capaz de ensinar todas as aulas. Porque há tantos alunos, terá que haver outros ensinando com ele.

Em algumas partes da Austrália, essas aulas de catecismo são ensinadas pelo pastor na escola cristã durante o dia. Na minha congregação, como no Canadá, fazemos as aulas à noite.

Eu vou descrever com mais detalhes o que acontece onde eu sou pastor. Em Launceston, temos três aulas, todas na quarta-feira à noite. A primeira aula é das 19h às 1945h. Esta aula é para as crianças entre os 12 e os 15 anos – a turma júnior. Nesta aulas, as crianças aprendem a doutrina da Bíblia com ajuda do Catecismo de Heidelberg. Elas têm que memorizar uma parte do Catecismo a cada semana. Eu ensino o que aquela parte significa com a Bíblia.

A próxima aula é das 20h horas às vinte e 2045h. Esta aula é para jovens entre as idades de 15 e 18 – é a turma sênior. Esta classe e dividida em três anos. No primeiro ano, eles estudam os ensinamentos bíblicos da Confissão Belga. Eles memorizam alguns, mas memorizam passagens da Bíblia e não a Confissão Belga. No segundo ano, o foco está nos Cânones de Dort. Então, no terceiro ano, eles novamente estudam o Catecismo de Heidelberg.

A última aula começa às 21h. Está é a aula para aqueles que querem fazer a profissão pública de fé. Esta aula revisa principalmente os ensinamentos bíblicos das confissões reformadas, mas em minha igreja eu também ensino apologética aos nossos jovens por algumas semanas – tudo sobre como defender a fé cristã.

Como mencionei, esta é uma prática padrão em nossas igrejas reformadas no Canadá e na Austrália. Não sei como acontece aqui no Brasil. Mas se algo assim é feito no Brasil também em suas igrejas, eu me pergunto se está faltando a mesma coisa que está faltando no Canadá e na Austrália. As igrejas reformadas geralmente fazem bem em ensinar seus jovens. Mas a coisa que muitas vezes falta é os pais. Os pais muitas vezes não estão ensinando seus filhos. Nas mentes de muitos pais cristãos, a igreja tem que ensinar seus filhos, mas eles não precisam ensinar. Então, geralmente eles não fazem. É triste. Nossas igrejas poderiam ser mais fortes e mais fiéis se todos os pais ensinassem a seus filhos a doutrina cristã.

Aqui é bom prestar atenção ao Sínodo de Dort. O Sínodo discutiu muito mais coisas além de como lidar com os arminianos. Um dos assuntos discutidos no início do Sínodo foi a questão de como melhor ensinar os jovens da igreja. Em 30 de novembro de 1618, o Sínodo de Dort emitiu seu decreto sobre a melhor maneira de catequese. Nesta palestra, vamos ver o que Dort decidiu sobre esse assunto, por que e o que podemos aprender disso hoje.

Por que o Sínodo discutiu o ensino do catecismo

Precisamos começar com um pouco do contexto. A Reforma enfatizou fortemente a importância dos catecismos para o ensino da doutrina cristã. Havia muitos catecismos protestantes escritos e publicados no século XVI. Mas sem dúvida um dos mais populares foi o Catecismo de Heidelberg, escrito em 1563. Este catecismo foi traduzido pela primeira vez para o holandês no mesmo ano que apareceu em alemão, em 1563. Em pouco tempo, o Catecismo de Heidelberg tornou-se o catecismo das igrejas reformadas nos Países Baixos.

O Sínodo de Dort começou em 1618. Como mencionei, o Sínodo teve que lidar com o problema arminiano. Mas parte do problema arminiano tinha a ver com o Catecismo de Heidelberg. Os arminianos não gostaram o catecismo. Eles tinham questões teológicas, mas também disseram que era muito difícil para os jovens. Eles disseram que não tinha o suficiente da Bíblia. Então, quando chegamos ao Sínodo de Dort, o Catecismo de Heidelberg estava sob pressão.

Mas havia outras questões relacionadas à questão do ensino de catecismo de maneira mais geral. Antes do Sínodo de Dort, as igrejas reformadas holandesas não tinham aulas de catecismo como muitas igrejas reformadas têm hoje. Muitas vezes elas teriam uma breve aula na doutrina cristã para aqueles que estavam prestes a fazer a profissão pública da sua fé. Mas ter uma aula semanal regular para os jovens da igreja ensinada pelo ministro – isso era inédito.

O que eles tinham em alguns lugares era a pregação do catecismo. No Sínodo de Haia, em 1586, as igrejas reformadas holandesas concordaram que todas as tardes de domingo os pastores deveriam “explicar resumidamente o resumo da doutrina contida no Catecismo.” Isso se tornou para do Regimento da Igreja Reformada. Agora o problema era que, mesmo depois de 1586, em alguns lugares isso era mal feito. Em outros lugares simplesmente não foi feito. Este foi especialmente o caso em muitas igrejas pequenas no interior, nas aldeias. Portanto, houve falta de consistência nas igrejas reformadas holandesas que levaram ao Sínodo de Dort. Congregações inteiras estavam perdendo a instrução doutrinária regular, e isso obviamente incluía os jovens dessas congregações. E obviamente o futuro da igreja não é muito promissor se os jovens não estão sendo discipulados na fé cristã. Quando chegamos ao Sínodo de Dort em 1618, a questão é como melhorar o ensino da doutrina cristã nas igrejas reformadas holandesas.

A discussão do Sínodo

Quando chegou ao Catecismo de Heidelberg e ao treinamento de catecismo, o Sínodo de Dort discutiu e decidiu sobre vários assuntos. Eles tomaram uma decisão sobre a pregação do catecismo. Eles reafirmaram o que o Sínodo de Haia decidiu em 1586. O Sínodo tratou de todas as objeções dos Arminianos ao Catecismo. O Catecismo foi examinado e aprovado por todos os delegados, incluindo os estrangeiros, como estando em total concordância com a Bíblia. Mas nosso foco estará na discussão e decisão sobre a melhor maneira de ensinar a doutrina cristã.

O Sínodo dividiu esse assunto em duas partes. Eles observaram a melhor maneira de ensinar os jovens da igreja e, então, a melhor maneira de ensinar os adultos. Vamos apenas olhar para o que o Sínodo disse sobre a melhor maneira de ensinar aos jovens.

A discussão começou na sessão da manhã de 28 de novembro. Talvez vocês sabem que temos os Atos do Sínodo, mas os Atos nem sempre dão muitos detalhes sobre as discussões. No entanto, nesta situação, temos uma testemunha pessoal de um inglês chamado John Hales. Ele observou o sínodo em nome do embaixador britânico na Holanda e informou-o com cartas. Estas cartas foram publicadas mais tarde.

John Hales relatou o que observou na manhã de 28 de novembro de 1618. Johannes Bogerman, o presidente do Sínodo, fez pela primeira vez um discurso sobre a necessidade e a utilidade da catequese. Bogerman disse que o catecismo era a base e o fundamento da religião. Era o único caminhão para os princípios do cristianismo serem transmitidos. Bogerman falou de como a catequese era uma prática antiga que remontava à igreja primitiva. Quando a catequese é negligenciada, ele disse, a ignorância resulta entre os membros da igreja. A confusão também resulta quando a catequese não é praticada – as pessoas voltam para o catolicismo romano, ou caiem nos erros do anabatismo e em outros erros. Bogerman argumentou que a prática da catequese reformada era necessária agora mais do que nunca por causa da crescente agressividade dos jesuítas. Os jesuítas são diligentes no ensino da doutrina – para combatê-los, as igrejas reformadas devem ser ainda mais diligentes.

Após o discurso do presidente, os delegados foram solicitados a apresentar seus conselhos sobre o assunto. Os Atos incluem cópias do conselho dado pelas sete delegações estrangeiras presentes. Não vou passar por todos os detalhes desses documentos. Eu só quero notar um elemento importante encontrado em vários deles. Isso tem a ver com o papel dos pais. Por exemplo, os delegados de Hesse escreveram:

“Acreditamos e julgamos que esse trabalho de ensinar o catecismo aos jovens pertence aos ministros da Palavra de Deus, aos professores da escolar e, finalmente, aos pais.”

Pais que eram descuidados com esse trabalho deveriam ser admoestados pelo conselho a ensinar diligentemente e fielmente o catecismo a seus filhos e famílias. Da mesma forma, os delegados de Bremen aconselharam o Sínodo que eles reconheciam três tipos de instrução catequética: escolástica (nas escolas), eclesiástica (na igreja) e doméstica (nas famílias). Os pais, especialmente os pais (os homens), eram responsáveis pela catequese doméstica. O mesmo foi salientado pelos dois delegados de Genebra, Johannes Deodatus e Theodorus Trochinus.

Todos esse conselhos foram apresentados e discutidos em 28 de novembro de 1618. No dia seguinte, um sermão foi pregado por um dos delegados britânicos, Joseph Hall. Então, na sessão da manhã de 30 de novembro, o Sínodo voltou à questão de como ensinar o catecismo da melhor maneira. O presidente estava se reunindo com os diretores executivos do sínodo e, levando todos os conselhos em conta, eles trabalharam juntos para produzir uma decisão proposta. O presidente apresentou esta proposta e foi aprovada.

A Decisão do Sínodo

A decisão sobre a melhor maneira de ensinar os jovens tinha três partes. Deveria haver uma maneira tripla de catequizar os jovens das igrejas reformadas holandesas.

Tudo começou com o lar. Os pais tinham a responsabilidade de instruir seus filhos nos fundamentos da fé cristã num nível adequado à idade. Eles deveriam exortá-los à piedade. Os pais deveriam treinar seus filhos em oração. O Sínodo declarou que os pais têm a responsabilidade de levar seus filhos à igreja e depois rever o que ouviram, especialmente nos sermões catequéticos. Os pais devem ler a Bíblia com seus filhos e explicar a eles. Finalmente, o Sínodo decidiu que os pais também deveriam dar aos seus filhos passagens bíblicas para memorizar. Agora, e se houvesse pais que não conseguiram fazer essas coisas? O Sínodo decidiu que os pais negligentes deviam ser admoestados pelos ministros. Se eles não ouvissem os ministros, os presbíteros deveriam repreendê-los e, se necessário, colocá-los sob a disciplina da igreja. Deixar de ensinar seus filhos foi considerado um pecado pelo qual você poderia ser disciplinado. Foi tão sério!

Em segundo lugar, a catequese era a responsabilidade das escolas. Segundo o Sínodo de Dort, o Estado foi responsável pelo estabelecimento e manutenção da educação em geral. Os professores dessas escolas tinham que ser reformados. Eles tiveram que subscrever às confissões reformadas e ser treinados no ensino do catecismo. Dort decidiu que os professores deveriam ensinar o catecismo aos alunos duas vezes por semana e exigir que eles memorizassem. Além disso, os professores também foram obrigados a levar seus alunos para a pregação catequética dominical – presumivelmente, este requisito era para os alunos cujas famílias não eram membros da igreja. Deveriam haver três tipos de ferramentas de catequese para esse trabalho nas escolas: um simples catecismo básico para os alunos mais jovens, uma versão simplificada do Catecismo de Heidelberg (conhecido como Compêndio) e depois o Catecismo de Heidelberg para os alunos mais velhos. Os ministros tinham a responsabilidade de garantir que tudo isso acontecesse. Se houvesse alguma negligência, os ministros reportariam isso ao governo. O governo deve então substituir qualquer professor negligente da escola.

Finalmente, dizia o Sínodo, o catecismo era também da responsabilidade da igreja. Os jovens da igreja deveria ser ensinados pelos pastores, mas não nas aulas de catecismo como as conhecemos hoje. Em vez disso, os ministros deveriam ensinar os jovens, juntamente com o resto da congregação, através da pregação catequética ao nível dos jovens. Este ensino também deve ser seguido com revisão.

Há duas coisas que quero mencionar sobre essa decisão:

Primeiro, há o papel da escola. Naquele antigo contexto holandês, a escola era um instrumento da igreja e do estado. Além disso, a igreja e o estado estavam ligados de maneiras que nos são estranhas hoje em dia. Quando a história mudou nessa conexão foi quebrada. Por fim, a aula de catecismo ensinada na escola tornou-se a aula de catecismo ensinada pela igreja. Assim, as segundas e terceiras maneiras de ensinar o catecismo aos jovens acabaram sendo reunidas.

Em segundo lugar, quero destacar que o Sínodo seguiu o conselho dos delegados de Hesse e Bremen em dividir a instrução nessa maneira tripla. Mas há uma diferença importante. A diferença está na ordem. O Sínodo de Dort colocou o papel dos pais em primeiro lugar. Além disso, o Sínodo disse muito mais sobre a responsabilidade dos pais do que qualquer um dos conselhos recebidos.

Relevância Para Hoje

O Sínodo de Dort estava certo ao enfatizar o papel dos pais na catequese. Esta é uma ênfase bíblica. Poderíamos pensar em Efésios 6.4:

“E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor.”

Especialmente os pais são chamados a manter seus filhos em ordem e também a ensine-lhes a Palavra de Deus. Às vezes você ouve falar de igrejas que têm “pastores de jovens.” As igrejas reformadas também têm pastores de jovens – eles são chamados de “pais.” Os pais devem ser os pastores dos jovens da igreja de Cristo.

Além disso, os pais de uma igreja reformada prometem fazer isso. Quando seus filhos são batizados, os pais reformados prometem que instruirão seus filhos na doutrina cristã. Eles prometem que farão isso. Eles têm a responsabilidade primária, não o ministro. A igreja apóia o ensino dos pais, mas a igreja não substitui o ensino dos pais.

Os pais cristãos devem ensinar aos filhos doutrina cristã. Mas como? Deixe-me dar algumas sugestões práticas:

Primeiro de tudo, para ensinar seus filhos, você deve ter uma boa compreensão básica da própria doutrina cristã. Você tem que aproveitar os recursos que estão disponíveis para você. Se você está numa igreja reformada, onde existe a pregação catequética, faça o seu hábito de estar presente toda vez, para que possa ser fortalecido em sua compreensão da doutrina bíblica. Então você também precisa ler a Bíblia para si mesmo todos os dias. Você não pode ensinar os outros se você não está sendo ensinado a si mesmo. Isso acontece através do estudo da Palavra de Deus por si mesmo. Também quero recomendar a leitura de bons livros cristãos que ensinem doutrina. Se você precisar de uma sugestão para um livro como esse, pergunte ao seu pastor. Muitos pais não ensinam porque não têm a confiança ou sentem que têm o conhecimento necessário. Mas se você é um pai cristão, você tem o chamado e a responsabilidade de fazer isso; portanto você deve encontrar maneiras de reforçar a confiança e crescer em conhecimento.

Em seguida, todo lar cristão deve ter um tempo determinado para o culto familiar todos os dias. Em muitas casas reformadas no Canadá e na Austrália, isso acontece depois da refeição da noite. Mas não precisa ser depois de uma refeição. Só precisa de um tempo todos os dias quando a família se reunirá para adorar a Deus juntos. Durante este tempo, deve haver oração e canto. Deve haver leitura da Bíblia. Mas também deve haver um breve período de aprendizado da doutrina cristã com a ajuda de um catecismo.

Na minha família, geralmente usamos o Catecismo Menor de Westminster. Este é um catecismo das igrejas Presbiterianas, mas ensina a doutrina Reformada como o Catecismo de Heidelberg. Temos um livro baseado no Catecismo Menor de Westminister. Cada pergunta e resposta tem seis dias de ensino para acompanhar. Também usamos o Catecismo de Heidelberg com um livro semelhante. Às vezes também passamos pela Confissão Belga e pelos Cânones de Dort. Mas a cada dia, passamos talvez cinco minutes do tempo de adoração de nossa família aprendendo a doutrina cristã. Ao fazer isso, quando nossos filhos vão para as aulas de catecismo da igreja, eles já aprenderam muito dos princípios básicos.

Mas qualquer método que você usar, o importante é fazer! Pais, por favor, me ouçam: se você ama seus filhos, ensine-os os caminhos do Senhor. Nada é mais importante para o seu bem-estar!

Conclusão

Em conclusão, deixe-me dizer também que isso é muito importante para o futuro da igreja e o progresso do evangelho. Não teremos uma igreja forte sem famílias fortes. Famílias fortes são a espinha dorsal de igrejas fortes. Teremos famílias espiritualmente fortes quando os pais, especialmente os homens, os cabeças da família, levarem a sério sua responsabilidade para prover liderança espiritual e ensino para seus filhos. Quando tivermos isso, nossas igrejas estarão mais fortes. Nosso testemunho do evangelho ficará mais brilhante. E Deus será louvado com maior fervor.

*********

Tradução:  Jim Witteveen

 

 

Dez coisas que eu aprendi com a Escolástica Reformada (1)

petrus-van-mastricht

Embora não com tanta frequência como anteriormente, ainda, por vezes, vemos a palavra “escolástica” usada como pejorativo – em outras palavras, como um termo desagradável. Se alguém é considerado “escolar”, em seguida, ele deve ser um dos bandidos na história da teologia. É semelhante à palavra “puritano” para algumas pessoas. É um insulto. Se alguém é “puritano” ou “puritana”, então eles devem ser, na melhor das hipóteses, suspeitos. É o mesmo com a palavra “escolástica” – uma palavra suja que lança instantaneamente uma nuvem escura.

Em um período no tempo, estes tipos de noções eram generalizadas. No entanto, nas últimas duas ou três décadas, houve uma mudança na discussão da forma escolástica. Isto é devido principalmente à influência de eruditos como Richard Muller, David Steinmetz, e Willem van Asselt. Devido as discussões, agora é amplamente reconhecido que a escolástica era um método de ensino na teologia – que não têm conteúdo em si. Havia escolásticos medievais, havia escolásticos católicos romanos, havia escolásticos luteranos, e havia escolásticos reformados. Cada um utilizava o método escolástico para ensinar a teologia que consideravam ser correta.

Eu cheguei a apreciar melhor este método de ensino através da minha pesquisa de doutorado sobre a Confissão Belga. A Escolástica medieval está no fundo da Confissão Belga, especialmente em sua estrutura (Cap 4: Para a causa do Filho de Deus). A escolástica protestante está ainda mais arraigada no fundo dos Cânones de Dort. Os Cânones por si não são de caráter escolástico – e pela sua forma – eles ainda carregam as marcas de homens que se beneficiaram do método. Não deve ser nenhuma surpresa. Muitos dos delegados ao Sínodo de Dort ou eram teólogos que utilizaram o método escolástico ou pastores que tinham sido escolasticamente treinados.

Eu também fui muito beneficiado por estudar este método. Enquanto eu acho que seria inadequado importar o método escolástico para o mundo de hoje, ainda é um bom negócio ser ensinado por ele, especialmente como foi implementado pelos teólogos reformados na era pós-Reforma. Deixe-me compartilhar dez coisas que eu aprendi através da escolástica reformada.

1. Uma boa Teologia começa com uma sã exegese

Reformados escolásticos são às vezes descartados como “tendenciosos à distorção do texto bíblico”. Ao longo de sua teologia até mesmo poderia funcionar, eles fazem referências a Escritura, mas nem sempre entram em discussões exegéticas nessas obras (há exceções). Mas isso não significa que a exegese estava completamente fora de cogitação – longe disso! Na verdade, antes de escrever obras de teologia, muitos teólogos escolásticos haviam produzido pela primeira vez comentários exegéticos.  Só no livro de Romanos, a Biblioteca Digital de Pós-Reforma indica 236 títulos. Nem todas elas são obras reformadas, mas muitas a são. O estudo bíblico intensivo foi a base para a teologia reformada ensinada à luz do método escolástico.

2. O seu conteúdo histórico

A nossa era é muitas vezes indiferente à história. Como um método nas mãos dos teólogos reformados, a escolástica trabalhou com os pensamentos e as conclusões daqueles que já se foram há muito tempo. Por exemplo, eu me virei para uma página aleatória, em um importante texto escolástico muitas vezes referido como A Leiden Sinopse. Aqui Antonius Thysius está discutindo o que significa ser criado à imagem de Deus. Ele se refere à visão de Tertuliano e outros que “o homem todo é propagado à partir de todo o homem”. Mais tarde, na mesma página, ele interage com outro pai da igreja, Orígenes. O fato de que eles eram tão intimamente familiarizados com estes pais da Igreja demonstra que as discussões estavam em um nível diferente de nosso tempo, como nos dias de hoje.

3. A importância da sistematização

Enquanto eles não eram os primeiros a entender isso, os reformados escolásticos sstentaram que a teologia bíblica é um sistema interconectado. Neste sistema, todas as partes se referem, de alguma forma para todas as outras partes. Além disso, foi claramente compreendido pela maioria desses teólogos que há uma “lógica” construída na teologia cristã. Portanto, quando você lê um texto como Amandus Polanus – Syntagma Theologiae Christianae, você pode esperar que ele vai começar com questões preliminares (prolegômenos), mover-se para a doutrina da Escritura, então a doutrina de Deus, lidar com a criação, pecado, redenção e assim por diante, até a doutrina das últimas coisas (escatologia). Este padrão tem sido continuado por muitos teólogos sistemáticos desde então.

4. Fazer boas perguntas

Se você quiser boas respostas, você tem que fazer boas perguntas. Teólogos escolásticos reformados eram habilidosos na formulação de questões que os levariam a obter respostas úteis. Esta foi uma parte essencial do método escolástico de treinamento. Questões seriam formuladas tanto em termos de uma tese ou de uma pergunta. Enquanto o Catecismo de Heidelberg não é um documento escolástico, o comentário de Zacharias Ursinus no catecismo o é certamente. Quando ele discute Pergunta 21 sobre a verdadeira fé, ele identifica seis questões chaves que ajudam a esclarecer esta doutrina:

  • O que é a fé?
  • De quantos tipos de fé que as Escrituras falam?
  • Em que a fé difere da esperança?
  • Quais são as causas eficientes da justificação pela fé?
  • Quais são os efeitos da fé?
  • A quem é dada?

Este método também foi empregado por Francis Turretin em seus Institutos de Elenctic Teologia -, bem como por muitos outros.

5. Utilizar definições precisas

Teólogos muitas vezes usam as mesmas palavras, mas com significados diferentes. Um teólogo católico romano vai usar a palavra “justificação”, mas ele quer dizer algo bem diferente do que o que significa para um teólogo reformado. Por isso, é sempre importante definir com precisão termos importantes. Voltando à justificação, podemos notar Petrus van Maastricht como um exemplo. Em seu teórico-Practica Theologia (6.6), primeiro ele dá uma visão exegética das passagens bíblicas relevantes (ver ponto 1) e, em seguida, move-se em uma discussão dogmática com base nisso. Como parte disso, ele fornece uma definição precisa de justificação: por causa da justiça de Cristo, Deus absolve crentes de todos os seus pecados e os declara justos para a vida eterna. Justificação, de acordo com van Maastricht, inclui imputação de nossos pecados a Cristo e a sua justiça a nós dada por Deus. Ele não assume a definição deste termo chave, mas o torna claro e prossegue nessa mesma base.

(continua…)

Tradução e adaptação: Eduardo Moro Dutra

Revisão: Joffre Swait

O Catecismo de Heidelberg: “De fontes divinas”

DCFC0090.JPG

No ultímo domingo, eu tive o prazer de dirigir o culto na Igreja Reformada Canadense Vineyard em Lincoln, ON. À tarde, me pediram para ensinar sobre o Domingo 1 do catecismo. Abaixo você encontra um trecho da minha introdução. Neste trecho, eu citei a defesa do catecismo que Frederico III fez na Dieta de Augsburgo (1566). Isto é muito apropriado de ser lembrado neste ano em que celebramos o 450° aniversário do Catecismo.

*************

 

Nesta tarde, nós começaremos outra série de sermões no Catecismo de Heidelberg. O Catecismo pode ser considerado como um mapa bíblico. Ele não usurpa o lugar da Escritura, mas nos ajuda a enxergar os ensinos mais importantes dela, como um mapa nos ajuda a ver os lugares mais importantes de uma região. Além disso, ele nos auxilia a organizar aqueles ensinamentos de forma sistemática. A Bíblia é grande e diversa. Por isso, com o Catecismo de Heidelberg nós temos seus ensinos organizados num formato simples e de fácil memorização.

 

O catecismo foi escrito em alemão em 1563 – 450 anos atrás. Ele foi escrito durante os últimos anos da Grande Reforma. Entre seus autores estão Zacharias Ursino e Gaspar Oleviano. Eram jovens de 28 e 26 anos e professores de teologia em Heidelberg. Foram nomeados para o cargo pelo Eleitor Frederico III, governador do Palatinado, uma província alemã. Frederico encomendou o catecismo para instrução dos jovens sob seu governo e para servir de guia aos pastores e professores no Palatinado.

 

Eu suponho que o que eu disse até agora é familiar para muitos de vocês. Contudo, já repararam que este catecismo, um catecismo reformado, foi escrito em alemão? A Alemanha é normalmente associada com o luteranismo, não com a fé reformada encontrada no Catecismo de Heidelberg. Vocês precisam saber que existia uma rixa entre os calvinistas e os luteranos na época que o catecismo foi escrito. A existência de um catecismo alemão reformado era incomum, para dizer o mínimo.

 

O patrono do catecismo, Frederico III, estava ciente da controvérsia. Ela o incomodava muito. Quando o catecismo foi escrito e publicado, os luteranos alemães se alvoroçaram. Eles acusavam que Frederico (e o Palatinado) estavam se tornando reformados. Isto não seria um grande problema se não existisse a Paz de Augsburgo (1555). Este tratado entre o imperador do sacro império romano Carlos V e os príncipes alemães definia que somente o luteranismo e o catolicismo romano eram permitidos na Alemanha.

 

450 anos atrás, logo que nosso catecismo foi publicado, levantou-se enorme oposição. O Eleitor Frederico foi pressionado e teve que apelar para o Imperador Maximiliano II na Dieta de Augsburgo. Tudo estava em jogo – Frederico poderia perder tudo – seu governo, sua vida e seu catecismo. Quando compareceu em Augsburgo em 1566, Frederico foi acusado de promover o calvinismo por meio do Catecismo de Heidelberg.

 

Por que isto é importante hoje? Porque ainda hoje alguns veem o Catecismo de Heidelberg simplesmente como uma expressão de ideias e opiniões humanas. O Catecismo de Heidelberg expressa as crenças reformadas, mas ele não é a Bíblia. É verdade que o catecismo não é a Bíblia e é verdade que ele expressa as crenças reformadas, mas precisamos dizer muito mais. Frederico apresentou sua defesa ao imperador Maximiliano e suas palavras devem ser ouvidas de novo. Ele reafirmou a fé que havia confessado com os príncipes alemães em 1558 e 1561. No entanto, acrescentou:

 

“Nesta fé eu permaneço firme, com nenhum outro fundamento, a não ser, porque eu a encontrei estabelecida nas Sagradas Escrituras do Antigo e do Novo Testamentos. Não creio que alguém terá sucesso em demonstrar que qualquer coisa que tenha feito ou recebido se opõe a este credo. Porém, meu catecismo, palavra por palavra, é concebido, não de homens, mas de fontes divinas; as referências bíblicas que citadas nas margens deixam isso bem claro.”

 

Conta-nos a história que Frederico enfrentou Maximiliano, o mais poderoso governante de seus dias, ao lado seu filho João Casimiro. O filho de Frederico permaneceu com a Bíblia aberta e Frederico desafiou o Imperador com estas palavras:

 

“O que disse publicamente a Vossa Majestade diante duma assembleia de príncipes – isto é, que se qualquer pessoa de qualquer idade, status ou classe, até mesmo o mais humilde, me ensinar algo melhor das Escrituras Sagradas, eu lhe agraderecei do fundo do meu coração e estarei prontamente obediente à verdade divina – esta declaração eu repito agora na presença desta assembleia de todo o império. Se entre milordes e amigos houver qualquer pessoa que o faça, estou disposto a dar ouvidos. E eis aqui as Escrituras, à mão. Se apraz a Vossa Majestade aceitar esta tarefa, eu considerarei o maior dos favores e reconhecerei na mais adequada gratidão.”

 

O corajoso desafio de Frederico ficou sem resposta e o Catecismo de Heidelberg entrou para a história como um dos resumos mais bem-recebidos do ensino das Escrituras. Esta é nossa confissão. Fazemos bem em seguir o exemplo de Frederico e salientar que ele não é uma compilação de raciocínios humanos e doutrinas. Em vez disso, ele é a fiel verdade de Deus destilada em 52 Domingos. Devemos ser gratos ao testemunho de Frederico e também orar para termos o mesmo espírito, não somente de intrepidez, mas também de abertura de instrução. Devemos estar sempre dispostos a aprender das Escrituras.

Tradutor: Isaías Lobão.

 

 

 

Redenção particular

Synod of Dort

Este domingo, vou pregar sobre o tema de redenção particular (segundo capítulo nos Cânones de Dort, artigos 8 e 9).  Esta doutrina nos ensina que Cristo morreu pelos eleitos.  A cruz faz a salvação uma realidade, não meramente uma possibilidade. O sofrimento de Cristo é suficiente para pagar os pecados de todos, mas ele é só eficiente para pagar os pecados dos eleitos.  Estas são algumas passagens da Bíblia que vou mencionar no domingo:

João 10.11, Eu sou o bom pastor.  O bom pastor dá a vida pelas ovelhas.

João 10.28, Eu lhes dou a vida eterna;  jamais perecerão, e ninguém pode arrebatar.

Mateus 1.21, Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.

Gálatas 1.3-4, …graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do nosso Senhor Jesus Cristo, o qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigar deste mundo perverso, segundo a vontade de nosso Deus e Pai

Mas, como nós entendemos Dia do Senhor 15 (Catecismo de Heidelberg)?  Ele diz:

P.37. O que você confessa quando diz que Ele “padeceu”?

R. Durante todo o tempo em que viveu sobre a terra, e especialmente no final, Cristo suportou no corpo e na alma a ira de Deus contra o pecado de toda a raça humana…

Dia do Senhor 15 esta não dizendo sobre a intenção da expiação.  Pelo contrário, ele esta dizendo sobre a extensão da expiação, da ira grande de Deus que Jesus sentia na cruz.  Portanto, dizemos, “suficiente para pagar os pecados de todos” (extensão), mas “só eficiente para pagar os pecados dos eleitos” (intenção).