Há Um Rio

shuswap_river_04_640

Há um rio, cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo. — Sl. 46.4

Este Salmo fala de Jerusalém, “a cidade de Deus.”  Os filhos de Corá escreveram que em Jerusalém “há um rio.”  Mas se você conhece a geografia de Jerusalém, então você conhece que Jerusalém não tem um rio.  Jerusalém tem uma fonte (Giom) e umas enseadas decorrentes dessa.  Mas um rio?  Nem pensar.  Por que, então, este Salmo fala de um rio?  A resposta é sugerida na segunda parte do versículo, “o santuário das moradas do Altíssimo.”  Os filhos de Corá estão pensando do templo.  Na verdade, o templo não tinha um rio também.  Todavia, o templo tinha um riacho, um riacho “cujas correntes alegram a cidade de Deus.”  Um riacho de sangue estava fluindo do templo todos os dias.  Jerusalém tinha umas sarjetas onde este sangue correria.  Este sangue foi dos sacrifícios no templo.  Os sacrifícios falaram do perdão e reconciliação com Deus.  Portanto, os filhos de Corá escreveram de alegria na cidade de Deus!  Hoje, ainda há alegria na cidade de Deus e no templo, na igreja (1 Cor. 3.16), porque havia um riacho de sangue que fluía de Cristo (João 19.34).  Este Salmo fala da reconciliação com Deus e a alegria que o povo de Deus tinha no Antigo Testamento.  Eles tiveram alegria deles nas sombras e nós temos nossa alegria em Jesus.