O Sínodo de Dort e a Catequese

Synod of Dort

Palestra para a Conferência Dordt 400 Anos em Caruraru, PE, 23 março 2019.

Acontece quase toda semana em igrejas reformadas no Canadá e na Austrália. Geralmente é uma terça ou uma quarta-feira à noite. Os pais trazem todas as crianças entre as idades de doze e dezoito anos para serem ensinadas o catecismo por seu pastor. Na maioria das vezes, é o pastor que ensina; se a igreja não tem pastor, então um presbítero ou alguém pode ensinar. Numa igreja grande, o pastor pode não ser capaz de ensinar todas as aulas. Porque há tantos alunos, terá que haver outros ensinando com ele.

Em algumas partes da Austrália, essas aulas de catecismo são ensinadas pelo pastor na escola cristã durante o dia. Na minha congregação, como no Canadá, fazemos as aulas à noite.

Eu vou descrever com mais detalhes o que acontece onde eu sou pastor. Em Launceston, temos três aulas, todas na quarta-feira à noite. A primeira aula é das 19h às 1945h. Esta aula é para as crianças entre os 12 e os 15 anos – a turma júnior. Nesta aulas, as crianças aprendem a doutrina da Bíblia com ajuda do Catecismo de Heidelberg. Elas têm que memorizar uma parte do Catecismo a cada semana. Eu ensino o que aquela parte significa com a Bíblia.

A próxima aula é das 20h horas às vinte e 2045h. Esta aula é para jovens entre as idades de 15 e 18 – é a turma sênior. Esta classe e dividida em três anos. No primeiro ano, eles estudam os ensinamentos bíblicos da Confissão Belga. Eles memorizam alguns, mas memorizam passagens da Bíblia e não a Confissão Belga. No segundo ano, o foco está nos Cânones de Dort. Então, no terceiro ano, eles novamente estudam o Catecismo de Heidelberg.

A última aula começa às 21h. Está é a aula para aqueles que querem fazer a profissão pública de fé. Esta aula revisa principalmente os ensinamentos bíblicos das confissões reformadas, mas em minha igreja eu também ensino apologética aos nossos jovens por algumas semanas – tudo sobre como defender a fé cristã.

Como mencionei, esta é uma prática padrão em nossas igrejas reformadas no Canadá e na Austrália. Não sei como acontece aqui no Brasil. Mas se algo assim é feito no Brasil também em suas igrejas, eu me pergunto se está faltando a mesma coisa que está faltando no Canadá e na Austrália. As igrejas reformadas geralmente fazem bem em ensinar seus jovens. Mas a coisa que muitas vezes falta é os pais. Os pais muitas vezes não estão ensinando seus filhos. Nas mentes de muitos pais cristãos, a igreja tem que ensinar seus filhos, mas eles não precisam ensinar. Então, geralmente eles não fazem. É triste. Nossas igrejas poderiam ser mais fortes e mais fiéis se todos os pais ensinassem a seus filhos a doutrina cristã.

Aqui é bom prestar atenção ao Sínodo de Dort. O Sínodo discutiu muito mais coisas além de como lidar com os arminianos. Um dos assuntos discutidos no início do Sínodo foi a questão de como melhor ensinar os jovens da igreja. Em 30 de novembro de 1618, o Sínodo de Dort emitiu seu decreto sobre a melhor maneira de catequese. Nesta palestra, vamos ver o que Dort decidiu sobre esse assunto, por que e o que podemos aprender disso hoje.

Por que o Sínodo discutiu o ensino do catecismo

Precisamos começar com um pouco do contexto. A Reforma enfatizou fortemente a importância dos catecismos para o ensino da doutrina cristã. Havia muitos catecismos protestantes escritos e publicados no século XVI. Mas sem dúvida um dos mais populares foi o Catecismo de Heidelberg, escrito em 1563. Este catecismo foi traduzido pela primeira vez para o holandês no mesmo ano que apareceu em alemão, em 1563. Em pouco tempo, o Catecismo de Heidelberg tornou-se o catecismo das igrejas reformadas nos Países Baixos.

O Sínodo de Dort começou em 1618. Como mencionei, o Sínodo teve que lidar com o problema arminiano. Mas parte do problema arminiano tinha a ver com o Catecismo de Heidelberg. Os arminianos não gostaram o catecismo. Eles tinham questões teológicas, mas também disseram que era muito difícil para os jovens. Eles disseram que não tinha o suficiente da Bíblia. Então, quando chegamos ao Sínodo de Dort, o Catecismo de Heidelberg estava sob pressão.

Mas havia outras questões relacionadas à questão do ensino de catecismo de maneira mais geral. Antes do Sínodo de Dort, as igrejas reformadas holandesas não tinham aulas de catecismo como muitas igrejas reformadas têm hoje. Muitas vezes elas teriam uma breve aula na doutrina cristã para aqueles que estavam prestes a fazer a profissão pública da sua fé. Mas ter uma aula semanal regular para os jovens da igreja ensinada pelo ministro – isso era inédito.

O que eles tinham em alguns lugares era a pregação do catecismo. No Sínodo de Haia, em 1586, as igrejas reformadas holandesas concordaram que todas as tardes de domingo os pastores deveriam “explicar resumidamente o resumo da doutrina contida no Catecismo.” Isso se tornou para do Regimento da Igreja Reformada. Agora o problema era que, mesmo depois de 1586, em alguns lugares isso era mal feito. Em outros lugares simplesmente não foi feito. Este foi especialmente o caso em muitas igrejas pequenas no interior, nas aldeias. Portanto, houve falta de consistência nas igrejas reformadas holandesas que levaram ao Sínodo de Dort. Congregações inteiras estavam perdendo a instrução doutrinária regular, e isso obviamente incluía os jovens dessas congregações. E obviamente o futuro da igreja não é muito promissor se os jovens não estão sendo discipulados na fé cristã. Quando chegamos ao Sínodo de Dort em 1618, a questão é como melhorar o ensino da doutrina cristã nas igrejas reformadas holandesas.

A discussão do Sínodo

Quando chegou ao Catecismo de Heidelberg e ao treinamento de catecismo, o Sínodo de Dort discutiu e decidiu sobre vários assuntos. Eles tomaram uma decisão sobre a pregação do catecismo. Eles reafirmaram o que o Sínodo de Haia decidiu em 1586. O Sínodo tratou de todas as objeções dos Arminianos ao Catecismo. O Catecismo foi examinado e aprovado por todos os delegados, incluindo os estrangeiros, como estando em total concordância com a Bíblia. Mas nosso foco estará na discussão e decisão sobre a melhor maneira de ensinar a doutrina cristã.

O Sínodo dividiu esse assunto em duas partes. Eles observaram a melhor maneira de ensinar os jovens da igreja e, então, a melhor maneira de ensinar os adultos. Vamos apenas olhar para o que o Sínodo disse sobre a melhor maneira de ensinar aos jovens.

A discussão começou na sessão da manhã de 28 de novembro. Talvez vocês sabem que temos os Atos do Sínodo, mas os Atos nem sempre dão muitos detalhes sobre as discussões. No entanto, nesta situação, temos uma testemunha pessoal de um inglês chamado John Hales. Ele observou o sínodo em nome do embaixador britânico na Holanda e informou-o com cartas. Estas cartas foram publicadas mais tarde.

John Hales relatou o que observou na manhã de 28 de novembro de 1618. Johannes Bogerman, o presidente do Sínodo, fez pela primeira vez um discurso sobre a necessidade e a utilidade da catequese. Bogerman disse que o catecismo era a base e o fundamento da religião. Era o único caminhão para os princípios do cristianismo serem transmitidos. Bogerman falou de como a catequese era uma prática antiga que remontava à igreja primitiva. Quando a catequese é negligenciada, ele disse, a ignorância resulta entre os membros da igreja. A confusão também resulta quando a catequese não é praticada – as pessoas voltam para o catolicismo romano, ou caiem nos erros do anabatismo e em outros erros. Bogerman argumentou que a prática da catequese reformada era necessária agora mais do que nunca por causa da crescente agressividade dos jesuítas. Os jesuítas são diligentes no ensino da doutrina – para combatê-los, as igrejas reformadas devem ser ainda mais diligentes.

Após o discurso do presidente, os delegados foram solicitados a apresentar seus conselhos sobre o assunto. Os Atos incluem cópias do conselho dado pelas sete delegações estrangeiras presentes. Não vou passar por todos os detalhes desses documentos. Eu só quero notar um elemento importante encontrado em vários deles. Isso tem a ver com o papel dos pais. Por exemplo, os delegados de Hesse escreveram:

“Acreditamos e julgamos que esse trabalho de ensinar o catecismo aos jovens pertence aos ministros da Palavra de Deus, aos professores da escolar e, finalmente, aos pais.”

Pais que eram descuidados com esse trabalho deveriam ser admoestados pelo conselho a ensinar diligentemente e fielmente o catecismo a seus filhos e famílias. Da mesma forma, os delegados de Bremen aconselharam o Sínodo que eles reconheciam três tipos de instrução catequética: escolástica (nas escolas), eclesiástica (na igreja) e doméstica (nas famílias). Os pais, especialmente os pais (os homens), eram responsáveis pela catequese doméstica. O mesmo foi salientado pelos dois delegados de Genebra, Johannes Deodatus e Theodorus Trochinus.

Todos esse conselhos foram apresentados e discutidos em 28 de novembro de 1618. No dia seguinte, um sermão foi pregado por um dos delegados britânicos, Joseph Hall. Então, na sessão da manhã de 30 de novembro, o Sínodo voltou à questão de como ensinar o catecismo da melhor maneira. O presidente estava se reunindo com os diretores executivos do sínodo e, levando todos os conselhos em conta, eles trabalharam juntos para produzir uma decisão proposta. O presidente apresentou esta proposta e foi aprovada.

A Decisão do Sínodo

A decisão sobre a melhor maneira de ensinar os jovens tinha três partes. Deveria haver uma maneira tripla de catequizar os jovens das igrejas reformadas holandesas.

Tudo começou com o lar. Os pais tinham a responsabilidade de instruir seus filhos nos fundamentos da fé cristã num nível adequado à idade. Eles deveriam exortá-los à piedade. Os pais deveriam treinar seus filhos em oração. O Sínodo declarou que os pais têm a responsabilidade de levar seus filhos à igreja e depois rever o que ouviram, especialmente nos sermões catequéticos. Os pais devem ler a Bíblia com seus filhos e explicar a eles. Finalmente, o Sínodo decidiu que os pais também deveriam dar aos seus filhos passagens bíblicas para memorizar. Agora, e se houvesse pais que não conseguiram fazer essas coisas? O Sínodo decidiu que os pais negligentes deviam ser admoestados pelos ministros. Se eles não ouvissem os ministros, os presbíteros deveriam repreendê-los e, se necessário, colocá-los sob a disciplina da igreja. Deixar de ensinar seus filhos foi considerado um pecado pelo qual você poderia ser disciplinado. Foi tão sério!

Em segundo lugar, a catequese era a responsabilidade das escolas. Segundo o Sínodo de Dort, o Estado foi responsável pelo estabelecimento e manutenção da educação em geral. Os professores dessas escolas tinham que ser reformados. Eles tiveram que subscrever às confissões reformadas e ser treinados no ensino do catecismo. Dort decidiu que os professores deveriam ensinar o catecismo aos alunos duas vezes por semana e exigir que eles memorizassem. Além disso, os professores também foram obrigados a levar seus alunos para a pregação catequética dominical – presumivelmente, este requisito era para os alunos cujas famílias não eram membros da igreja. Deveriam haver três tipos de ferramentas de catequese para esse trabalho nas escolas: um simples catecismo básico para os alunos mais jovens, uma versão simplificada do Catecismo de Heidelberg (conhecido como Compêndio) e depois o Catecismo de Heidelberg para os alunos mais velhos. Os ministros tinham a responsabilidade de garantir que tudo isso acontecesse. Se houvesse alguma negligência, os ministros reportariam isso ao governo. O governo deve então substituir qualquer professor negligente da escola.

Finalmente, dizia o Sínodo, o catecismo era também da responsabilidade da igreja. Os jovens da igreja deveria ser ensinados pelos pastores, mas não nas aulas de catecismo como as conhecemos hoje. Em vez disso, os ministros deveriam ensinar os jovens, juntamente com o resto da congregação, através da pregação catequética ao nível dos jovens. Este ensino também deve ser seguido com revisão.

Há duas coisas que quero mencionar sobre essa decisão:

Primeiro, há o papel da escola. Naquele antigo contexto holandês, a escola era um instrumento da igreja e do estado. Além disso, a igreja e o estado estavam ligados de maneiras que nos são estranhas hoje em dia. Quando a história mudou nessa conexão foi quebrada. Por fim, a aula de catecismo ensinada na escola tornou-se a aula de catecismo ensinada pela igreja. Assim, as segundas e terceiras maneiras de ensinar o catecismo aos jovens acabaram sendo reunidas.

Em segundo lugar, quero destacar que o Sínodo seguiu o conselho dos delegados de Hesse e Bremen em dividir a instrução nessa maneira tripla. Mas há uma diferença importante. A diferença está na ordem. O Sínodo de Dort colocou o papel dos pais em primeiro lugar. Além disso, o Sínodo disse muito mais sobre a responsabilidade dos pais do que qualquer um dos conselhos recebidos.

Relevância Para Hoje

O Sínodo de Dort estava certo ao enfatizar o papel dos pais na catequese. Esta é uma ênfase bíblica. Poderíamos pensar em Efésios 6.4:

“E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor.”

Especialmente os pais são chamados a manter seus filhos em ordem e também a ensine-lhes a Palavra de Deus. Às vezes você ouve falar de igrejas que têm “pastores de jovens.” As igrejas reformadas também têm pastores de jovens – eles são chamados de “pais.” Os pais devem ser os pastores dos jovens da igreja de Cristo.

Além disso, os pais de uma igreja reformada prometem fazer isso. Quando seus filhos são batizados, os pais reformados prometem que instruirão seus filhos na doutrina cristã. Eles prometem que farão isso. Eles têm a responsabilidade primária, não o ministro. A igreja apóia o ensino dos pais, mas a igreja não substitui o ensino dos pais.

Os pais cristãos devem ensinar aos filhos doutrina cristã. Mas como? Deixe-me dar algumas sugestões práticas:

Primeiro de tudo, para ensinar seus filhos, você deve ter uma boa compreensão básica da própria doutrina cristã. Você tem que aproveitar os recursos que estão disponíveis para você. Se você está numa igreja reformada, onde existe a pregação catequética, faça o seu hábito de estar presente toda vez, para que possa ser fortalecido em sua compreensão da doutrina bíblica. Então você também precisa ler a Bíblia para si mesmo todos os dias. Você não pode ensinar os outros se você não está sendo ensinado a si mesmo. Isso acontece através do estudo da Palavra de Deus por si mesmo. Também quero recomendar a leitura de bons livros cristãos que ensinem doutrina. Se você precisar de uma sugestão para um livro como esse, pergunte ao seu pastor. Muitos pais não ensinam porque não têm a confiança ou sentem que têm o conhecimento necessário. Mas se você é um pai cristão, você tem o chamado e a responsabilidade de fazer isso; portanto você deve encontrar maneiras de reforçar a confiança e crescer em conhecimento.

Em seguida, todo lar cristão deve ter um tempo determinado para o culto familiar todos os dias. Em muitas casas reformadas no Canadá e na Austrália, isso acontece depois da refeição da noite. Mas não precisa ser depois de uma refeição. Só precisa de um tempo todos os dias quando a família se reunirá para adorar a Deus juntos. Durante este tempo, deve haver oração e canto. Deve haver leitura da Bíblia. Mas também deve haver um breve período de aprendizado da doutrina cristã com a ajuda de um catecismo.

Na minha família, geralmente usamos o Catecismo Menor de Westminster. Este é um catecismo das igrejas Presbiterianas, mas ensina a doutrina Reformada como o Catecismo de Heidelberg. Temos um livro baseado no Catecismo Menor de Westminister. Cada pergunta e resposta tem seis dias de ensino para acompanhar. Também usamos o Catecismo de Heidelberg com um livro semelhante. Às vezes também passamos pela Confissão Belga e pelos Cânones de Dort. Mas a cada dia, passamos talvez cinco minutes do tempo de adoração de nossa família aprendendo a doutrina cristã. Ao fazer isso, quando nossos filhos vão para as aulas de catecismo da igreja, eles já aprenderam muito dos princípios básicos.

Mas qualquer método que você usar, o importante é fazer! Pais, por favor, me ouçam: se você ama seus filhos, ensine-os os caminhos do Senhor. Nada é mais importante para o seu bem-estar!

Conclusão

Em conclusão, deixe-me dizer também que isso é muito importante para o futuro da igreja e o progresso do evangelho. Não teremos uma igreja forte sem famílias fortes. Famílias fortes são a espinha dorsal de igrejas fortes. Teremos famílias espiritualmente fortes quando os pais, especialmente os homens, os cabeças da família, levarem a sério sua responsabilidade para prover liderança espiritual e ensino para seus filhos. Quando tivermos isso, nossas igrejas estarão mais fortes. Nosso testemunho do evangelho ficará mais brilhante. E Deus será louvado com maior fervor.

*********

Tradução:  Jim Witteveen

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s