Nossa consolação indizível na doutrina reformada da eleição (2)

Parte 2 de um sermão sobre Cânones de Dort 1.7 — preparado pelo pr. Wes Bredenhof

Assim, a doutrina da eleição ensina que Deus nos escolhe.  Todavia, ante a discussão do tempo, precisamos perguntar, “Por que próposito Deus nos escolhe?”  Se leremos Efésios 1, a resposta tem vários aspectos.  Versículo 5 diz, …nos predestinou para ele, para a adoção de filhos.  Ele escolhe-nos para sermos os filhos especiais dele.  Se leremos versículo 12, Paulo diz que nossa eleiçao é a fim de sermos para louvor da sua glória.  Paulo diz a mesma coisa várias vezes neste capítulo.  E no versículo 4, Deus nos escolheu “para sermos santos e irrepreensíveis perante ele.”  O Catecismo de Heidelberg PR 54 diz que Deus nos escolheu para a vida eterna.  Os Cânones de Dort diz o mesmo no primeiro capítulo, artigo 7.  Deus nos escolheu para a salvação.  Portanto, a doutrina da eleição significa que Deus nos escolheu para a salvação do pecado e todos os seus efeitos, especificamente a ira de Deus contra o pecado.  Além disso, a doutrina significa que Deus nos escolheu para que, depois de termos sido salvo, vamos caminhar no caminho da salvação — o qual preparou para que andássemos nele (Cânones 1.8).  Então, eleição fala sobre tudo o que está envolvido em ser um cristão.

Confessamos também que esta doutrina da eleição envolve “um número definido de pessoas específicas.”  Deus não escolheu um grupo de pessoas anônimas.  Isso é o que algumas pessoas acreditam.  Mas a nossa confissão fala de forma diferente, ela diz da eleição de pessoas específicas.  Deus escolhe pelo nome.  Como sabemos que isso é verdade?  Podemos pensar sobre o que a Bíblia diz de Jacó.  Deus diz especificamente que ele o escolheu (Mal. 1.2-3).

Agora, vamos considerar o tempo da eleição.  Aqui, a Bíblia fala claramente.  Efésios 1.4 diz, …assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo Em outras palavras, Deus decidiu nos dar a salvação em Cristo antes que o mundo existisse.  Ante Gênesis 1.1 Deus decidiu dar a salvação para um número de pessoas específicas e sabia os nomes dessas pessoas.  Pense sobre isso, meus irmãos.  Quando não havia estrelas no céu, Deus sabia o seu nome.  Quando não havia aguas no oceano, Deus decidiu que Jesus iria te salvar.  Quando não havia criatura no mundo, Deus te amou e decidiu que você iria morar com ele para sempre.  É por isso que Paulo é tão entusiasmado em Efésios 1!  É por isso que Paulo louva a Deus.  O Espírito Santo quer que façamos o mesmo.  Ele quer que pensemos sobre essas coisas a fim de que estamos impressionados com Deus, e seu poder, e seu amor.  Esse amor vai além do tempo e da criação.  Maravilhoso, né?  Além disso, há o conforto de saber que Deus sempre teve as nossas vidas na sua mão.  Nós não somos os produtos do ocaso.  Temos Deus que sempre nos conhece pessolamente, também antes da fundação do mundo.  Ele nos escolheu em amor.

Mas há as perguntas.  Vamos responder a uma delas.  Deus nos escolheu antes da fundação do mundo.  Deus nos escolheu para a salvação do pecado e todos os seus efeitos.  Então, séra que Deus ordena o pecado também?  Deus é soberano, né?  Ele controla todas as coisas.  Então, Deus decidiu que Adão e Eva iriam pecar?  Estas perguntas não são novas.  O Sínodo de Dort discutido elas também.  Os Cânones de Dort são muitos cuidadosos.  Eles têm o cuidado de seguir a Bíblia somente.

Sal. 119.68 diz, Tu és bom e fazes o bem.  Deus não tem a responsibilidade pelo pecado.  Nem pensar!  Você não pode culpar a Deus para o mal.  Dizer ou pensar que Deus é o autor de pecado é blasfêmia (Cânones 1.15).  Não podemos pensar que Deus é responsável.  Como artigo 7 do capítulo 1 nos Cânones diz, toda a raça humana, caída pela própria culpa do estado original de integridade no pecado e na perdição…  Nós somos os culpados, e não Deus.  Para a salvação, nós louvamos a Deus 100%.  Mas a raça humana tem de 100% a responsabilidade pelo pecado.

Meus irmãos, a Bíblia não nos diz como conciliar eleição antes da fundação do mundo com eleição para a salvação do pecado.  Os téologos têm várias teorias, mas todas as teorias têm as problemas.  Acho que a Confissão Belga é útil aqui, no artigo 13 leremos,

E quanto àquilo que Ele faz que ultrapassa o entendimento humano, não queremos investigar curiosamente além da nossa capacidade de entender. Mas adoramos com toda humildade e reverência os justos juízos de Deus, que nos estão ocultos.  Contentamo-nos em ser discípulos de Cristo, que devem aprender apenas o que Ele nos ensina em Sua Palavra, sem transgredir esses limites.

Amada congregaçao, só isso!  Isso é que precisamos acreditar.  Somos discípulos de Cristo.  Precisamos aceitar o que ele diz em sua Palavra com humildade.  Precisamos confiar em Deus.  Ele sabe todas as respostas, mesmo que nós não sabemos.

Clique aqui para continuar com a parte 3

Um comentário em “Nossa consolação indizível na doutrina reformada da eleição (2)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s